Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Pamella Holanda conta que agressões de DJ Ivis começaram quando estava grávida - Princesa Fm 91,7

Fale conosco via Whatsapp: +17991895854

No comando: BOM PAPO COM CAFÉ

Das às

No comando:

Das 5:00 às 7:30

No comando:

Das 7:30 às 9:00

No comando:

Das 9:00 às 13:00

No comando:

Das 13:00 às 16:30

No comando:

Das 16:30 às 19:00

No comando:

Das 19:00 às 21:00

Pamella Holanda conta que agressões de DJ Ivis começaram quando estava grávida

Ex-mulher de DJ Ivis, Pamella Holanda contou que começou a sofrer agressões do artista quando estava grávida. Em conversa com Fátima Bernardes, no ”Encontro” desta terça-feira, a influenciadora falou que nunca viu o ex-companheiro arrependido pela violência cometida contra ela mas que, mesmo assim, tentava relevar ”por seu temperamento”.

”As agressões começaram quando eu estava grávida ainda. Quando vejo os vídeos, parece que não sou eu. Eu tentava justificar pra mim mesma que isso acontecia pelo temperamento dele, que ele era assim. Eu mesma queria justificar”, explicou.

Pamella também falou do vídeo em que a mãe aparece, comentando que a mulher não se intrometeu entre a briga do casal por medo de Ivis: ”Aquele vídeo foi feito em dezembro. Eu estava com Covid-19, mas, mesmo assim, a médica indicou que eu amamentasse a Mel (a filha bebê de Pamella com DJ Ivis). Ele não queria que eu amamentasse a menina por estar com Covid. Essa mulher no vídeo é minha mãe. Ela não esboça nenhuma reação porque ela também tinha medo dele. Eu nunca tinha chegado a dizer nada pra ela (sobre as agressões). Ela soube presenciando. Ele sempre foi muito impaciente, muito autoritário. Não podia ser contrariado. Ali, no vídeo, minha mãe pede: ‘por favor, isso vai acabar me matando’. Ela já tinha visto isso antes, mas tinha medo.”

A influenciadora contou ainda que as agressões eram constantes. Mesmo assim, ela sentiu a necessidade de mostrar os vídeos porque não acreditava que, se acusasse o ex-marido apenas com palavras, não seria ouvida. ”A gente vive num país machista e nós mulheres somos criadas nessa cultura. Eu tinha medo de que, pelo fato dele ser homem e eu mulher, tinha que provar que isso acontece. Se fosse só minha palavra contra a dele, eu ia viver tentando provar. As câmeras não foram colocadas na casa com essa finalidade, era para ajudar a monitorar minha filha, mas acabaram registrando essas agressões”, contou.