Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

MP denuncia procurador que espancou chefe por tentativa de feminicídio - Princesa Fm 91,7

Fale conosco via Whatsapp: +17991895854

No comando: BOM PAPO COM CAFÉ

Das às

No comando:

Das 5:00 às 7:30

No comando:

Das 7:30 às 9:00

No comando:

Das 9:00 às 13:00

No comando:

Das 13:00 às 16:30

No comando:

Das 16:30 às 19:00

No comando:

Das 19:00 às 21:00

MP denuncia procurador que espancou chefe por tentativa de feminicídio

 

O Ministério Público de São Paulo (MP-SP) denunciou o procurador Demétrius Oliveira de Macedo, da cidade de Registro, por tentativa de feminicídio por espancar a chefe Gabriela Samadello, procuradora-geral do município. A informação foi confirmada pelo órgão de fiscalização à Band na manhã desta sexta-feira (24).

O MP também informou que o caso está sob sigilo e que, devido a isso, os promotores não podem dar entrevistas. Na última quinta-feira (23), Macedo foi preso preventivamente enquanto estava numa clínica psiquiátrica.

Entenda o caso
Um vídeo gravado por outra funcionária da Procuradoria de Registro, divulgado nessa terça-feira (21), mostra Demétrius desferindo uma série de socos contra Gabriela enquanto ela estava caída no chão. Colegas tentaram impedir as agressões.

A procuradora afirma que foi agredida pelo procurador depois que ele se revoltou pelo processo disciplinar por conta do mau comportamento dele com outros funcionários no ambiente de trabalho.

Na delegacia, o procurador afirmou que sofria “assédio moral” no trabalho por parte da vítima. Na sequência, ele foi liberado por não haver “situação de flagrante”, segundo o primeiro delegado que atendeu o caso.

Ouvidor cobrou prisão
Quem tomou a iniciativa de pedir a prisão de Demétrius foi o ouvidor das Polícias de São Paulo, Elizeu Lopes, que fez um requerimento para o delegado-geral da Polícia Civil do estado.

“Eu creio que ele, com aquela atitude, colocou em risco a própria vida da procuradora. Eu fiz um requerimento para o delegado-geral, doutor Nico [Gonçalves], que me atendeu prontamente. Então, a Polícia Civil fez a representação para que o Ministério Público pedisse a decretação da prisão preventiva. É preciso assegurar a integridade física da doutora Gabriela”, explicou Lopes em entrevista à Band.

FonteBand.

Deixe seu comentário: