Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Filhos pedem interdição de Cid Moreira e prisão da madrasta em processo - Princesa Fm 91,7

Fale conosco via Whatsapp: +17991895854

No comando: BOM PAPO COM CAFÉ

Das às

No comando:

Das 5:00 às 7:30

No comando:

Das 7:30 às 9:00

No comando:

Das 9:00 às 13:00

No comando:

Das 13:00 às 16:30

No comando:

Das 16:30 às 19:00

No comando:

Das 19:00 às 21:00

Filhos pedem interdição de Cid Moreira e prisão da madrasta em processo

 

Os filhos de Cid Moreira, Roger e Rodrigo Moreira, entraram com um processo na vara de família de Petrópolis, Rio de Janeiro, pedindo a interdição do pai e a prisão da madrasta, Fátima Sampaio Moreira.

Eles alegam que Cid apresenta sinais de demência e que Fátima mantém o pai como refém, além de maltratá-lo.

O processo foi protocolado na última terça-feira (20) e corre na Vara da Família e o inquérito distribuído ao Ministério Público.

Em entrevista para o UOL, Roger Moreira, filho adotivo de Cid, afirmou que as postagens do pai nas redes sociais são controladas pela madrasta. Ele destaca que os filhos querem encontrar o apresentador o mais rápido possível.

“A única coisa que posso falar agora é que a verdade vai aparecer em breve. Ele é uma vítima. Se não fossemos impedidos, nós filhos estaríamos convivendo com ele. Amamos ele e não podemos nos aproximar porque ela não deixa”, disse.

Além do pedido de interdição, o processo também aponta a necessidade de uma tutela de urgência. Os filhos argumentam que Cid Moreira não teria “mínimas condições” de administrar os próprios bens no documento.

Roger e Rodrigo apontam que Fátima Moreira mantém o marido em “cárcere privado”. O processo também diz que ela, 40 anos mais jovem que Cid Moreira, teria se casado com o apresentador motivada por “interesses econômicos”.

Além de estelionato, o documento também aponta outras acusações contra Fátima, como apropriação indébita e formação de quadrilha. A ação com assinatura do advogado Ângelo Carbone também pede bloqueio imediato dos bens de Cid durante a investigação.

 

Fonte: Fabíola Nishi.

Deixe seu comentário: